Floculantes para Tratamento de Água e Efluentes

Compartilhe
Banner

O QUE SÃO FLOCULANTES?

Floculantes, ou polímeros, são cadeias sintéticas compostas pela união de centenas de moléculas menores, chamadas de monômeros. Os floculantes podem ter caráter catiônico, aniônico ou não-iônico. A função principal do floculante no tratamento de efluentes é aglomerar os coágulos formados pela ação do coagulante em partículas maiores, chamadas de flocos.

LINHAS DE FLOCULANTES MATRYX

CHEMIFLOC 3000 – X (Aniônicos em pó e emulsão)
CHEMIFLOC 9000 – X (Catiônicos em pó e emulsão)

Embalagens para fornecimento:  Sacos de 25kg ou barricas de 25kg.

  • Grande variedade de produtos, com a certeza do produto adequado para a necessidade de nossos clientes;
  • Produtos com a tecnologia e garantia de qualidade Kemira;
  • Experiência nas diversas aplicações dos floculantes;
  • Destaque no atendimento pós-venda da equipe comercial;
  • Laboratório de controle de qualidade próprio;
  • Prazos de entrega ágeis e garantia de fornecimento;
  • Equipe técnica qualificada.

 

UM POUCO MAIS SOBRE FLOCULANTES
OS POLÍMEROS DA MÁGICA DA ÁGUA

Todo polímero é uma macromolécula. Macromoléculas são formadas a partir da repetição de centenas de moléculas menores, sendo estas moléculas chamadas de monômeros. Os monômeros têm peso molecular pequeno e conhecido. Este processo de repetição permite à macromolécula um peso molecular muito alto e não exato, o que confere a ela características próprias e gerais.

Os floculantes utilizados para o tratamento de águas e efluentes são derivadas de hidrocarbonetos, utilizando como monômero a acrilamida, por isto são chamados de poliacrilamida. A poliacrilamida é um homopolímero, ou seja, é formada a partir de um único monômero.  

No processo produtivo, onde existe controle rigoroso de pressão e temperatura ocorre a polimerização, dividida em iniciação, propagação e terminação. Após os parâmetros adequados serem atingidos, tem-se a poliacrilamida.

                                                                         

 

A CLASSIFICAÇÃO DOS FLOCULANTES

Os floculantes usados no tratamento de efluentes podem se apresentar na forma de pó granulado ou então, emulsão líquida.

A característica iônica dos floculantes

Os floculantes podem ser aniônicos, catiônicos ou não-iônicos. Os aniônicos possuem ao longo de sua cadeia polimérica sítios ativos carregados negativamente. Durante o seu processo de produção, uma molécula importante é o ácido acrílico, que confere o caráter aniônico à cadeia. Veja na imagem a seguir a molécula da polimerização do floculante aniônico.

Os floculantes catiônicos possuem os sítios carregados positivamente. Durante o processo de produção, uma outra molécula confere à cadeia o caráter positivo.

O floculante não-iônico é caracterizado por não possuir carga, ou de forma mais específica, uma quantidade muito pequena de carga ao longo de sua cadeia. Aqui, não há moléculas conferindo o grau iônico, sendo a acrilamida a principal molécula do processo.

A estrutura molecular dos floculantes

Os floculantes podem possuir cadeia linear ou cadeia ramificada. Os floculantes em emulsão podem possuir ambos tipos de cadeia. Os floculantes em pó possuem cadeia linear.

A densidade de carga e o peso molecular dos floculantes

Os floculantes podem possuir uma quantidade maior ou menor de sítios ativos em suas cadeias. Por isto, podem ser classificados como floculantes de baixa carga, média carga ou alta carga.

O peso molecular também difere de um floculante para outro, conforme tabela a seguir:

Peso molecular baixo < 100.000
Peso molecular médio  100.000 a 500.000
Peso molecular alto 500.000 a 6.000.000
Peso molecular muito alto  6.000.000 a 50.000.000

É impossível determinar o peso molecular exato de cada polímero, somente o peso molecular estimado. Este valor estimado é reproduzido através de cálculos, que levam em consideração a viscosidade intrínseca do polímero. Esta viscosidade é obtida laboratorialmente, com auxílio de equipamentos, cálculos e gráficos.

A IMPORTÂNCIA DOS FLOCULANTES

A partir da coagulação já temos os coágulos, partículas maiores que as coloidais e que já possuem a capacidade de sedimentação. Porém, a decantação destas partículas seria inviável industrialmente, já que o tempo necessário para esta operação seria extremamente alto. Devido a este fato, faz-se indispensável o uso dos floculantes.

O floculante não atua através de reações químicas, apenas através das forças de interação de suas cargas elétricas. A sua cadeia polimérica permite a aglutinação das sujeiras ao longo de seus sítios ativos, através da formação de “pontes” entre o polímero e as impurezas. De um modo geral, no tratamento primário das estações usa-se o floculante aniônico, pois após o uso dos coagulantes catiônicos, o sistema está carregado positivamente.

Após o tratamento secundário para o adensamento e desidratação do lodo, de um modo geral, é usado o floculante catiônico. Quando o sistema possui impurezas com menor intensidade iônica, floculantes não-iônicos podem ser uma boa opção.

Os floculantes também auxiliam na redução da turbidez da água, pois as suas cadeias extensas permitem a sedimentação inclusive das partículas mais pequenas do sistema.

OS FLOCULANTES NA PRÁTICA DO DIA-A-DIA

Torna-se indispensável testar o melhor tipo de floculante para cada tipo de efluente no que diz respeito à carga, estrutura molecular, densidade e tipo de carga. Para isto, a equipe comercial e técnica da Matryx estará sempre à disposição. Também, fator importante é a dosagem do produto utilizada, pois como trabalha-se com jogos de cargas, um excesso poderá produzir um efeito contrário ao sistema.

O preparo do floculante nas estações de tratamento

Chama-se “abertura” do floculante, ou maturação, a sua diluição em água, para que este possa ser utilizado em planta industrial. O floculante é pesado e em seguida, lentamente, adicionado sobre a água. Nunca adicionar a água sobre o floculante. A adição deve ser lenta principalmente para os floculantes em pó, para que seus grânulos não se aglomerem, o que tornaria a sua maturação difícil ou em alguns casos, impossível. Este processo deve ser feito em um tanque com agitação intermediária. Agitação muito vigorosa pode quebrar a cadeia polimérica, diminuindo eficiência na floculação.

Outro fator decisivo é a qualidade da água usada no preparo do floculante. Quanto melhor a qualidade da água, mais tempo a solução diluída do polímero permanecerá com as suas propriedades de forma integral. A presença de sólidos, pH muito distante do neutro, alcalinidade alta, cloro livre e a dureza alta da água afetam diretamente a cadeia polimérica. As soluções dos floculantes devem ser preparadas para um tempo máximo de uso de até 24 horas, para sua melhor eficiência.

PRINCIPAIS APLICAÇÕES DOS FLOCULANTES MATRYX

A linha de floculantes Matryx possui uma vasta aplicação

  • Excelentes na formação de um floco com tamanho ideal para uma boa sedimentação ou flotação no tratamento primário;
  • Reduzem a quantidade de sólidos para a etapa biológica, permitindo assim, um tratamento secundário mais saudável e redução nos custos com energia elétrica;
  • Auxiliares na floculação do lodo secundário;
  • Floco com boa resistência mecânica para uso nos equipamentos de adensamento e desidratação de lodo;
  • Eficientes na remoção até as partículas mais pequenas do efluente, auxiliando na remoção da turbidez da água;
  • Auxiliares de filtração;
  • Na mineração, os floculantes atuam no espessamento da polpa e aumentam a velocidade de sedimentação das partículas – empacotamento – inclusive das partículas mais finas.

 

Faça seu orçamento
Faça seu orçamento